quarta-feira, 25 de julho de 2018

Sem pistas, Polícia Civil tenta encontrar paradeiro de sete pessoas que sumiram em Cruzeiro do Sul

Por Portal do Juruá

Casos foram registrados entre janeiro e julho deste ano. Em alguns casos, se passaram seis meses sem pistas.

Sem pistas, Polícia Civil tenta encontrar paradeiro de sete pessoas que sumiram em Cruzeiro do Sul
A Polícia Civil de Cruzeiro do Sul investiga ao menos sete casos de desaparecimento em que não há pistas. Alguns registros têm mais de seis meses sem que a polícia consiga traçar uma linha de investigação. Enquanto isso, as famílias seguem aflitas sem nenhuma notícia dos desaparecidos.

1º Caso

O primeiro a sumir foi o jovem Erick da Silva Barroso, de 18 anos, em janeiro deste ano. Ele saiu de casa para procurar um amigo, que foi encontrado morto no Rio Juruá. Em seis meses, a polícia ainda não tem pistas sobre o paradeiro dele.

A família contou que ficou em estado de choque com o desaparecimento do jovem. Até julho, ele não havia dado nenhuma notícia para os familiares.

2º Caso

Antônio Varci Silva Ferreira, de 31 anos, também não é visto desde 27 de janeiro deste ano. A última notícia que a família tem dele é que foi visto na casa do pai na BR-364. A polícia chegou a investigar a movimentação do extrato bancário do homem, mas nenhuma pista foi encontrada.

3º Caso

Já em fevereiro, Mateus Oliveira, de 21 anos, desapareceu após sair da casa, no bairro Lagoa, em Cruzeiro do Sul para ir ao Carnaval no dia 12 de fevereiro. A avó dele, Marluce dos Santos, chegou a dizer que sonhava com o neto e que temia que ele estivesse morto.

Nesta terça-feira (24), ela disse que perdeu a esperança de encontrar o neto com vida. “Não temos nenhuma notícia. Não acredito mais que ele esteja vivo, não tenho esperança que ele esteja mais entre nós. Se ele tivesse vivo já teria dado notícia de onde estava. O jeito é se conformar. Desde o dia que ele sumiu que meu marido não tem saúde”, lamenta.

4º Caso

O quarto caso é do auxiliar de serviços gerais Francisco do Nascimento Vale (Tiurí), de 43 anos. Ele desapareceu em 28 de fevereiro após ir à casa de um amigo e não foi mais visto pelos familiares que residem no bairro João Alves, em Cruzeiro do Sul. A mãe contou que ele era usuário de drogas.

5º Caso

No final de abril, Alerne Januário da Silva, de 18 anos, sumiu após sair de casa no bairro Miritizal e dizer que voltaria no outro dia. Ele nunca mais foi visto pela família. Na época, a polícia disse que trabalhava com a hipótese do jovem ter sido executado.

6º Caso

Vânia Santos não dá notícias para a família há ao menos três semanas. O irmão contou que ela mora no município de Rodrigues Alves e que deixou a casa há um mês para ir trabalhar no município vizinho, Cruzeiro do Sul.

Vânia deixou os três filhos com os pais e a família dela está preocupada por causa da falta de notícias. A família tenta contato com a mulher pelo celular, mas não consegue.

7º Caso

E por último a família faz buscas pelo autônomo Arlir Cerqueira, de 35 anos. Ele mora no bairro Cohab, em Cruzeiro do Sul, e sumiu no domingo (22) após ir até o Miritizal em busca de um pedreiro para fazer alguns trabalhos.

De todos os casos, a Polícia Civil alega não ter pistas sobre os sumidos. “Não temos nenhuma novidade quanto a estes casos. Estamos investigando na esperança de encontrar essas pessoas com vida, mas tudo é possível. As investigações continuam na busca de informações quanto ao paradeiro dessas pessoas”, disse o delegado Alexnaldo Batista.

No último caso, o delegado diz que a família acredita que Cerqueira tenha caído em uma armadilha. “A esposa relatou que acredita que a vítima tenha caído em alguma armadilha ou emboscada, pois a moto desapareceu. Ele saiu de casa para buscar um pedreiro e não foi mais visto. Estamos na busca de informações deste homem”, disse.
Por G1 Acre

PORTAL DO JURUÁ - Noticias e informações de Cruzeiro do Sul, Juruá e do Acre, sempre com imparcialidade e o compromisso da verdade.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do PORTAL DO JURUÁ;