terça-feira, 24 de julho de 2018

Laboratório que atendia mais de 250 pacientes com malária é invadido e saqueado em Cruzeiro do Sul

Por Portal do Juruá

Todos equipamentos foram levados pelos bandidos, segundo médica. Na sala é coletado material de pacientes que são acompanhados periodicamente.

O laboratório que analisava a eficácia do tratamento de malária em Cruzeiro do Sul foi saqueado no último fim de semana. A sala funcionava no prédio da antiga Santa Casa desde abril e teve a janela arrombada.

Ao todo, 257 pacientes eram acompanhados. Os criminosos levaram equipamentos elétricos e eletrônicos, móveis e utensílios. A médica infectologista Suiane Negreiros, que supervisiona o projeto, lamentou o ocorrido.

“Tínhamos na sala tudo que era preciso para o laboratório funcionar. Hoje o prédio está praticamente abandonado, só funcionava a sala de pesquisa. Estamos vulneráveis, pois não temos segurança. Já estávamos nos programando para mudar a sala de endereço”, conta.

Microscópio, reagentes para coloração das lâminas, luvas, tubos de coleta de sangue, computador, impressora, telefone, moldem da internet, balança digital, centrífuga e outros equipamentos, inclusive caixas térmicas que eram usadas para o transporte de sangue.

“Essas caixas não devem ser usadas para colocar alimentos, pois podem, estar contaminadas”, destaca.

A sala funcionava através de convênio das secretarias estadual e municipal de Saúde, com apoio do Centro de Doenças Infecciosas dos Estados Unidos e o Programa Nacional de Controle da Malária.

Na sala eram coletados material de pacientes que estão envolvidos no projeto de pesquisa que são acompanhados periodicamente. A médica registrou um boletim na delegacia e espera que polícia possa encontrar os equipamentos para que os trabalhos do projeto possam ter continuidade.
Por Adelcimar Carvalho/G1

PORTAL DO JURUÁ - Noticias e informações de Cruzeiro do Sul, Juruá e do Acre, sempre com imparcialidade e o compromisso da verdade.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do PORTAL DO JURUÁ;