domingo, 2 de julho de 2017

Homem é preso pela polícia por tentar arrombar loja em Cruzeiro do Sul

Por Portal do Juruá
Altemiro da Silva Souza, conhecido como Titanic, de 40 anos, foi preso novamente em Cruzeiro do Sul. De acordo com a polícia, essa não é a primeira vez que o homem é preso acusado por roubos e arrombamentos na cidade.
Homem é preso pela polícia por tentar arrombar loja em Cruzeiro do Sul
Altemiro da Silva Souza, conhecido como Titanic, de 40 anos, foi preso acusado de arrombamento em Cruzeiro do Sul (Foto: Adelcimar Carvalho/G1)
Uma guarnição do Grupo de Intervenção Rápida Ostensiva (Giro), prendeu, na madrugada deste sábado (1), prendeu novamente Titanic quando ele tentava arrombar uma loja de material de construção.

O homem ainda tentou fugir, mas foi seguido e preso. No local, os militares constataram que apenas um cadeado estava na porta com um pedaço de ferro dentro da argola. Os demais cadeados já haviam sido quebrados.

Os militares encontraram um pedaço de madeira, uma serra de cortar ferro e uma barra de ferro, que foram levadas como provas para a delegacia junto com o acusado. Titanic foi preso a menos de 15 dias, acusado de arrombamento a uma ótica e acabou sendo liberado, segundo a polícia, após passar por uma Audiência de Custódia.

Questionado sobre o fato de Titanic estar em liderdade, o delegado Plantonista, Alexnaldo Batista, disse que a Polícia Civil tem feito seu trabalho.

“Já fizemos vários procedimentos contra ele aqui na delegacia. Infelizmente a Justiça entende que ele deve ser solto. Fazemos nosso trabalho, tomamos as providências e o apresentamos à Justiça”.

O delegado disse que o acusado será novamente encaminhado ao presídio. “O Titanic é um velho conhecido nosso. Sempre vem conduzido para a delegacia acusado de roubos e arrombamentos. É uma pessoa que está sempre em conflito com a lei. Ele será encaminhado para o presídio e ficará à disposição da Justiça”, finalizou. Via G1

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do PORTAL DO JURUÁ;