terça-feira, 23 de maio de 2017

Estudante da UFAC é retirado da sala por Policial Federal, apos postar foto de professora que tinha quase lhe causado acidente de trânsito;

Por Portal do Juruá
Estudante da UFAC é retirado da sala por Policial Federal, apos postar foto de professora;
Aluno conta que foi retirado de dentro da sala de aula por marido de professora, que é policial federal (Foto: Adelcimar Carvalho/G1 )
Um desentendimento entre um aluno e uma professora da Universidade Federal do Acre (Ufac), campus Floresta em Cruzeiro do Sul, terminou em caso de polícia na tarde desta segunda-feira (22). O estudante de engenharia florestal Pedro Pereira, de 21 anos, conta que foi conduzido à delegacia por um policial federal após ter uma discussão com a mulher dele, que é professora na universidade.

O estudante conta que se envolveu em um incidente de trânsito com a professora, que leciona no curso de letras. No estacionamento da universidade, os dois tiveram uma discussão e, após o bate boca, o jovem tirou fotos da professora e postou no Facebook.

Na postagem, o estudante colocou o nome da professor e completou: “perdeu a compostura e tentou me derrubar com o seu carro. Apesar do susto, estou bem, mas poderia não estar. Então, peço a vocês que se acordarem de mau humor, frustrado ou com raiva da vida, não dirija. O BO foi feito”, publicou.

Logo após a postagem, o estudante alega que dois agentes da Polícia Federal foram até o campus e o conduziram para a delegacia.

“Eu estava me dirigindo ao campus e uma condutora dirigia de forma perigosa, tocou na minha moto, que quase me derrubou. No estacionamento, reconheci o carro e fui falar com a condutora e disse que ela estava dirigindo de forma imprudente. Ela parecia fora de si, começou a me xingar e tivemos uma discussão. Ela se identificou como professora e disse que eu não poderia falar com ela. Tirei fotos dela e do carro e postei no meu Facebook, alertando o pessoal para manter distância daquela placa”, conta.

Pereira diz ainda que foi retirado de dentro da sala por dois homens que se apresentaram como policiais da Federal. O estudante alega que foi constrangido na frente dos colegas de sala, que presenciaram a condução.

“Fazendo escândalo, me procurando e dizendo que era esposo da professora e que, por eu ter postado as fotos, seria conduzido até a delegacia. Eles me levaram até a viatura e me conduziram para a Delegacia de Polícia. Lá me disseram para esquecer o caso, que ela vai me processar por eu ter postado a foto dela. Senti-me humilhado pela forma como fui retirado da sala de aula”, conta.

A professora, que pediu para não ser identificada. Ela não quis gravar entrevista e limitou-se a dizer que vai processar o aluno por ter postado suas fotos na rede social. Já o policial federal disse que vai se pronunciar sobre o caso através de uma nota à imprensa. O delegado de Polícia Civil Lindomar Ventura diz que só vai se posicionar após ouvir todas as partes envolvidas.

O jovem disse que vai processar a professora e o marido dela após o episódio. “Isso aconteceu no meio da minha aula, na frente dos meus colegas de sala. Em nenhum momento os federais apresentaram qualquer distintivo. Vou mover ação contra ela e o marido dela na justiça e vou abrir um processo na UFAC”, finaliza.

Da redação do Portal do Juruá com informações do G1 Acre

2 comentários:

  1. Interessante esse rapaz abrir dos peitos e dizer que fora humilhado por conta da ação policial. E como fica a agressão e a humilhação cometida por ele com a professora, MULHER, a qual fora abordada por um cidadão no estacionamento do seu trabalho com palavras baixo calão e ainda ter seu nome exposto nas redes sociais? É muito fácil dizer qualquer coisa pra se defender... O fato é, a situação será apurada e a verdade irá aparecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é! Parece não ter importância! Até quando professores terão que aguentar calados certas posturas de alunos?
      A professora foi xingada, exposta em rede social e tudo bem? Alunos precisam responder também por seus atos.

      Excluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do PORTAL DO JURUÁ;