sexta-feira, 12 de maio de 2017

Agente socioeducativo é preso por porte ilegal de arma, apos toma posse há 30 dias por meio de Processo Seletivo

Por Portal do Juruá
Agente socioeducativo é preso por porte ilegal de arma, apos toma posse há 30 dias por meio de Processo Seletivo
(Foto: Divulgação/PM-AC)
Um agente socioeducativo, de 29 anos, foi preso pela Polícia Militar de Feijó, interior do Acre, por porte ilegal de arma de uso restrito. Além da arma, a polícia informou que o suspeito chegou a se apresentar como policial federal. Uma denúncia anônima ajudou a polícia a chegar até o homem, que foi preso na noite de quarta-feira (10) e levado para a delegacia local.

O diretor do Instituto Socioeducativo do Acre (ISE), Rafal Almeida, disse que o agente foi ligado ao ISE há 30 dias após passar em um processo seletivo para contratação temporária. Almeida destacou que o homem, como cidadão civil, também não possuía autorização para ter posse de arma. O caso foi encaminhado para a Corregedoria da Polícia Civil que deve abrir um processo administrativo.

"Lamentamos muito pela exposição da instituição, mas não admitimos esse tipo de conduta. Essa não é a conduta comum e a prática dos nossos servidores. Os agentes socioeducativos, diferente dos penitenciários, não possuem autorização para ter arma de fogo. Todo cidadão tem direito a aquisição da posse de arma, mas nem isso ele comprovou. Além disso, a posse é para ter a arma em casa, não pode portar em vias públicas. Todas as medidas a altura serão tomadas e em alguns dias será apresentado o resultado das consequências dessa atitude", afirma o diretor.

O tenente Augusto Souza disse que o suspeito morava na cidade e trabalhava como vigilante. Porém, o homem tinha se mudado para a capital acreana, Rio Branco, e retornou à cidade há poucos dias. "Se passava como policial federal, foi embora e agora retornou. Agora estava exibindo arma e uniforme do ISE [Instituto Socioeducativo do Acre]", relatou.

Após ser questionado na delegacia sobre a identificação, o homem disse que não tinha nada a dizer e foi preso. Segundo a PM, o suspeito portava uma pistola calibre 380 de uso restrito.

"Ele foi preso em um parque aqui da cidade. Lá foi abordado e foi pedido o documento de porte de arma de fogo e ele não apresentou. Conduzimos para esclarecimentos e foi dada voz de prisão", concluiu o tenente.

Da redação do Portal do Juruá com informações do G1 Acre

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do PORTAL DO JURUÁ;