domingo, 16 de abril de 2017

A mulher mais velha do mundo morre aos 117 anos

Por Portal do Juruá
A italiana Emma Morano, a última sobrevivente conhecida do século XIX e supostamente a mulher mais idosa da humanidade, morreu neste sábado (15), em sua residência em Verbania, no norte da Itália. De acordo com a imprensa local, Emma morreu aos 117 anos e 137 dias. Ela nasceu em 29 de novembro de 1899, sua vida perpassou três séculos, duas guerras mundiais e mais de 90 governos italianos.
A mulher mais velha do mundo morre aos 117 anos
(Foto: AFP)
O médico Carlo Bava disse à Associated Press (AP) por telefone que o cuidador de Morano o chamou dizendo que ela tinha parado de respirar nesta tarde ao sentar-se em uma poltroa em sua casa em Verbania, uma cidade no Lago Maggiore da Itália. Bava disse que tinha visto a paciente pela última vez nesta sexta-feira, 14. "Ela não sofreu. Estou feliz por ela não sofrer, morreu assim tranquilamente ", disse Bava.

Há semanas, Morano vinha passando cada vez mais tempo dormindo e falando menos, mas manteve a rotina de comer dois ovos crus diariamente. Contrariando as recomendações médicas, ela nunca comeu muitas frutas e vegetais.

"Minha vida não foi tão boa. Eu trabalhei em uma fábrica até que eu tinha 65 anos, então era isso", disse ela à Reuters em novembro passado, em seu 117º aniversário.

Em entrevista ao jornal La Stampa, há cinco anos, ela disse que seu noivo tinha morrido na Primeira Guerra Mundial e que ela tinha então sido forçada a se casar com um homem que ela não amava. "'Ou você concorda em casar comigo ou eu vou te matar'", relembrou Morano. "Eu tinha 26 anos. Nós nos casamos." Eles tiveram um filho em 1937, mas o bebê morreu depois de apenas seis meses e no ano seguinte Morano se separou do marido abusivo. "Eu me separei dele em 1938. Acho que fui uma das primeiras na Itália a fazer isso."

Com informações do correio 24horas

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do PORTAL DO JURUÁ;