Policiais Legislativos do Senado são presos pela PF suspeitos de atrapalhar a Lava Jato

Policiais Legislativos do Senado são presos pela PF suspeitos de atrapalhar a Lava Jato
A Polícia Federal (PF) cumpre na manhã desta sexta-feira quatro mandados de prisão contra policiais legislativos do Senado. Além disso, está realizando busca e apreensão nas dependências da Polícia Legislativa da Casa. A suspeita é de que a estrutura tenha sido usada para fazer contraespionagem contra investigações da Operação Lava Jato.

Informações de integrantes do comando do Senado são de que o diretor da Polícia Legislativa, Pedro Ricardo de Araújo Carvalho, e seu adjunto foram levados coercitivamente para prestar depoimento. A ação teria sido motivada por denúncia de um servidor da segurança da Casa, devido a processos administrativos de afastamento para afastamento de função. Ambos estavam em suas residências.

Mais cedo, um funcionário do Senado passou a informação de que havia buscas no gabinete do senador Fernando Collor (PRB). A informação, porém, está errada. A PF afirmou que o político não é alvo da ação.

A decisão de determinar a prisão dos policiais legislativos e o cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão foi expedida pela Justiça Federal de Brasília. O Ministério Público também solicitou o afastamento do exercício de função pública dos investigados, mas não há informações ainda se o pedido foi aceito pela Justiça.

Ao longo da Lava Jato, houve atritos entre a PF e Polícia Legislativa, usada na segurança da Casa. Em julho do ano passado, o Senado reclamou da ação de policiais federais, que fizeram busca e apreensão em apartamentos funcionais de senadores, entre eles Fernando Collor (PTC-AL). Na ocasião, a PF deflagrou uma operação para cumprir 53 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra políticos com foro privilegiado que foram alvos de seis inquéritos instaurados na Corte a partir da Operação Lava Jato.

Com informações do extra


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.