sábado, 18 de abril de 2015

Pezão, Sérgio Cabral e Tião Viana serão investigados pela Lava Jato

Por Portal do Juruá
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB) e o governador do Acre, Tião Viana (PT), que serão investigados por suposta ligação com crimes da Operação Lava Jato
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB) e o governador do Acre, Tião Viana (PT), que serão investigados por suposta ligação com crimes da Operação Lava Jato
O STJ (Superior Tribunal de Justiça) aceitou em Brasília, nesta quinta-feira (12), os dois pedidos de abertura de inquérito protocolados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para investigar o suposto envolvimento dos governadores do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), e do Acre, Tião Viana (PT), em crimes da Operação Lava Jato. As informações são do STJ.


O ministro Luís Felipe Salomão, que pela manhã recebeu os pedidos da Procuradoria, foi quem autorizou a abertura dos inquéritos e derrubou o sigilo envolvendo os nomes dos envolvidos. A assessoria do STJ informou que Tião Viana será investigado por um inquérito, e o outro ficará com três nomes do Rio de Janeiro. Além de Pezão, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) e Regis Fichtner, ex-chefe da Casa Civil do Rio, também deverão ser investigados.

Em depoimentos colhidos na Operação Lava Jato, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa disse ter arrecadado R$ 30 milhões para "caixa 2" da campanha de Cabral e Pezão ao governo do Rio em 2010. Na época, Pezão era candidato a vice-governador.

Costa disse ter se encontrado com os dois e com Fichtner para tratar de uma "ajuda" à reeleição de Cabral. O ex-diretor da Petrobras disse ter arrecadado o dinheiro com empreiteiras que atuavam na obra do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Pezão nega a conversa com Costa e diz que o delator precisa provar o que diz.

O ex-diretor disse ainda ter repassado a Tião Viana R$ 300 mil provenientes do esquema de corrupção. Segundo ele, a anotação "0 3 Tvian" em sua agenda é referente ao valor pago ao governador do Acre em 2010.

O PGR enviou nesta quinta-feira mais outro inquérito envolvendo o ex-ministro das Cidades Mário Negromonte (PP),  acusado de participar de uma quadrilha para receber propinas do esquema montado na Petrobras. No entanto, por ser ex-ministro e atual conselheiro do Tribunal de Contas da Bahia, Negromonte teve seu inquérito enviado diretamente ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Outro lado

Mais cedo, sobre a possibilidade de ser investigado, Pezão disse que respeita a decisão da Procuradoria Geral da República e classificou como "estapafúrdio" o depoimento do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa.

"Estou à disposição da Justiça, só quero ser ouvido. É preciso ver como foi dada essa declaração [de Paulo Roberto Costa]. Eu era vice do Sérgio, ele (Costa) fala que eu participei de uma conversa que nunca existiu. Nós três não tivemos essa conversa. Falar em R$ 30 milhões para caixa 2 de campanha é estapafúrdio", reclamou Pezão.

Procurado pelo UOL, o governador Tião Viana informou, por sua assessoria de imprensa, que só vai se pronunciar sobre o caso quando receber a notificação da Justiça.

Em nota, o ex-governador Sérgio Cabral disse que reitera "os meus compromissos de toda a minha vida pública de respeito à independência do Ministério Público e do Judiciário brasileiros".

"Tenho a consciência tranquila. Reafirmo que é mentirosa a afirmação do delator Paulo Roberto Costa. Essa reunião jamais aconteceu. Nunca solicitei ao delator apoio financeiro à minha reeleição ao governo do Estado do Rio de Janeiro. Todas as eleições que disputei tiveram suas prestações de contas aprovadas pelas autoridades competentes. Reafirmo o meu repúdio e a minha indignação a essas mentiras", disse Cabral.

O ex-chefe da Casa Civil do Rio, Regis Fichtner, também emitiu nota em que demonstrou "surpresa e indignação" à menção de seu nome na delação de Paulo Roberto Costa.

 

"Nunca participei de nenhuma reunião em que o então Governador Sérgio Cabral tivesse solicitado ao Sr. Paulo Roberto Costa ajuda para a arrecadação de recursos para a sua campanha. (...) Tomarei as medidas cabíveis decorrentes das mentiras declaradas em relação à minha pessoa", disse.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do PORTAL DO JURUÁ;